Interpretação

Pessoal

Interpretações, Significados e Análises de Letras de Músicas

À Palo Seco

     Há já um bom tempo descobri ser de esquerda. Esquerda política, quero dizer. E é por ter raciocínio, pensamento e coração esquerdistas que me identifico tanto com as músicas de Belchior. Com À Palo Seco não é diferente.
     Desde a primeira vez que eu escutei essa música a compreendi. Mas não encontrava uma forma de passar pra vocês. Eu queria explicar o título. Eu queria explicar cada verso. Deixei pra lá. Passado um tempo, estudando pro Enem, assitia uma videoaula sobre literatura brasileira. Falava-se de Modernismo. Falaram de João Cabral de Melo Neto. E foi, então, que uma lâmpada acendeu na minha cabeça. Era o que faltava!
     À Palo Seco é totalmente permeada pelos poemas de João Cabral de Melo Neto. Mas não é só isso. Por trás dessa magnífica canção escondem-se histórias e ideologias. Aos trabalhos, então!

Belchior Vs Raul Seixas

     Antes de tudo, até mesmo do título, creio que convém explicar as razões para a criação da canção.
     Diz a lenda que À Palo Seco é uma resposta à música Eu também vou reclamar de Raul Seixas. E a explicação é simples: ai o Raul faz várias críticas ferrenhas não só ao Belchior e seu estilo, mas também ao Sílvio Brito. Mas não se iludam! Há um pequeno grande furo nessa teoria. À Palo Seco é do disco Mote e Glosa, que, por sua vez, é de 1974, enquanto Eu também vou reclamar é do Há 10 mil anos atrás, de 1976. A menos que Belchior pudesse prever o futuro (ou que essas datas estejam erradas) e tenha escrito uma réplica antes mesmo das acusações de Raulzito, uma música não tem muito a ver com a outra.
     Mas, então, o que realmente pode ter inspirado o Belchior a compor essa canção? A inspiração, meus caros, creio eu, veio de onde sempre vem: do coração dos artistas. São os sentimentos de Belchior que estão desnudos nessa música. São os meus também.

Título: O Cante sem o Cante

     Para explicar o título é preciso recorrer à poesia de João Cabral de Melo Neto. Não tenho muitas dúvidas ao afirmar que Belchior se inspirou num poema (enorme, diga-se de passagem) homônimo à canção. Nele, destrincha-se o que seria um canto - ou um cante - a palo seco.
     Alguns versos:

"Se diz a palo seco
o cante sem guitarra;
o cante sem; o cante;
o cante sem mais nada;
se diz a palo seco
a esse cante despido:
ao cante que se canta
sob o silêncio a pino."

"O cante a palo seco
não é um cante a esmo:
exige ser cantado
com todo o ser aberto;
é um cante que exige
o ser-se ao meio dia,
que é quando a sombra foge
e não medra a magia."

"Eis alguns exemplos
de ser a palo seco,
dos quais se retirar
higiene ou conselho:
não o de aceitar o seco
por resignadamente,
mas de empregar o seco
porque é mais contundente"

     Lendo estes versos, entende-se o propósito do título. Belchior queria, de fato, explicar o porquê de ser como é; o porquê de cantar situações tão secas, tão áridas, que tão facilmente enxergamos em Como Nossos Pais, Tudo Outra Vez etc. A verdade é que seguia os ditos de Cabral de Melo Neto: não acostumar-se ao seco, mas falar seco, cantar seco, pois assim causaria as reações que queria. E como causou. Tanto assustou o seu jeito de cantar que Raul Seixas teve a necessidade de criticar.

A Interpretação

     Em 1973, aconteceu o golpe de Estado no Chile, lembram? Salvador Allende foi deposto pelo golpe militar e Augusto Pinochet se proclamou presidente. Allende havia fundado o Partido Socialista do Chile, foi o primeiro Presidente da República socialista e marxista eleito democraticamente de toda a América Latina. Assim, meus caros, a situação era de pânico.
     Enquanto Raul Seixas propagava o seu anarquismo fadado ao insucesso, enquanto se cantava fervorosamente 'Pra frente, Brasil! Salve a seleção!', enquanto se sonhava, enquanto se maquiava as atrocidades que vinham acontecendo não só no Brasil, mas em toda América do Sul, enquanto o povo não tinha noção do que acontecia bem debaixo de seu nariz (como muita gente não tem até hoje), por isso mesmo, Belchior se desesperava.
     Se você vier me perguntar por onde andei no tempo em que você sonhava, de olhos abertos, lhe direi: amigo, eu me desesperava. Sei que assim falando pensas que esse desespero é moda em 73, mas ando mesmo descontente, desesperadamente, eu grito em português...
     Sobre os versos acima, destaco o fato de Belchior cantar a realidade, sem muitos rodeios, sem mais nem mesmo, de olhos abertos, à palo seco. E podia até ser moda, as pessoas sempre acham que movimento social é moda e isso é até hoje, mas é descontentamento mesmo. Só isso.
     É notório a presença de um discurso latino-americanista, divergente do pan-americanismo que, à época, parecia mais próximo da realidade, já que os golpes cometidos na América do Sul foram, ordinariamente, financiados pelos estadunidenses. Há a rejeição pela cultura dos Estados Unidos e uma valorização dos aspectos sul-americanos.
     Tenho vinte e cinco anos de sonho e sangue e de América do Sul. Por força desse destino, um tango argentino me vai bem melhor que o blues.
      E a participação da obra de João Cabral de Melo Neto na canção não fica restrita ao título. Sempre quis compreender os últimos versos da música, mas, mais que isso, poder explicá-los. Eles fazem referência a um outro poema de Cabral de Melo chamado Uma Faca Só Lâmina ou Serventia das Ideias Fixas.
     Sei que assim falando pensas que esse desespero é moda em 73. E eu quero é que esse canto torto, feito faca, corte a carne de vocês.
     Ele quer que machuque, que corte, que deixe marca. Ele canta a palo seco para que nós, que o ouvimos, sejamos atingidos por suas palavras. Ele tem esperança de que nós faremos alguma coisa, se esse canto consiga chegar nos nossos corações.

# Compartilhar

    Blogger Comentario
    Facebook Comentario

75 comentários:

  1. Guria, parabéns! Tens uma sensibilidade e inteligência que todas as garotas deveriam ter ao invés de perder tempo com bobagens! Não que bobagens não façam parte de nossas vidas, mas elas são permitidas quando nos dedicamos a fazer coisas úteis! Sucesso em sua vida! Desde que descobri este cantinho, entro sempre para ler algum texto seu. =)

    Milla.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Milla! Que legal ler isso! Fico muito feliz. E concordo quando diz que as bobagens devem existir, mas não podem ser totalidade. Muito obrigada! <3

      Excluir
    2. Adorei. Lembrei da minha juventude, rs. "Um tango Argentino..." , tem outro poema/poeta nessa passagem também. Abraços.

      Excluir
  2. Incrível análise, que visão sensível das linhas da musica do Belchior, e lúcida sobretudo!. Parabéns pelo blog, imensamente útil.

    - Flávia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Flávia!
      Fico muito feliz com os seus elogios.
      Seus comentários serão sempre bem-vindos!

      Excluir
  3. minha querida, interprete a música "frevo mulher" por favor, se não for demais.
    suas interpretações deveriam ser mais vistas, valem muito a pena. elas servem principalmente para dar uma revitalizada em algumas das mais belas canções nacionais que podem estar com suas 'imagens' engessadas, impedindo um novo olhar sobre essas .
    - Mariana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mariana! Tudo bem?
      Obrigada pelas palavras de incentivo. Eu adoro "Frevo Mulher". Zé Ramalho é um dos meus artistas preferidos. Li em algum lugar que fala sobre a ex-mulher dele, a Amelinha. Eu bem acho que pode ser verdade. Vou tentar escrever, sim!
      Obrigada mais uma vez! Comente sempre!

      Excluir
  4. Cara Thamirys,

    Acabei de descobrir seu blog. Parabéns! Me surpreendi com sua idade e origem! Sou Potiguar mas moro em Brasília. Admiro demais a sua terrinha. João Pessoa me encanta!

    Enfim, parabéns pelo trabalho. Tens algum livro publicado?

    Abraços,

    Lucélia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lucélia!
      Adoro leitores novos! Seja muito bem-vinda! Muito obrigada, tanto pelos elogios à mim quanto à minha João Pessoa linda!
      Bem, livro publicado, não, não tenho. Quem dera! Talvez um dia, quando eu escrever melhor...
      Enfim! Um grande abraço!

      Excluir
  5. Parabéns pelo trabalho e pela inteligência.

    ResponderExcluir
  6. Gostaria que você fizesse a análise da musica Construção - Chico Buarque, vi que você não fez nenhuma analise sobre musicas dele e essa é uma musica que gosto bastante e queria ter um melhor entendimento dela.
    Obrigada pela atenção e parabéns pelo trabalho maravilho que faz aqui

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Paula!
      Construção é difícil. Eu não sei se tenho muita "intimidade" com o Chico pra tentar analisar uma música dele. Mas é uma das que eu mais gosto.
      Obrigada pelo comentário. Fico muito, muito feliz!
      Abraços!

      Excluir
  7. Muito bom!!
    Conheci essa música hoje e já me interessei tanto que vim parar aqui haha
    acabei curtindo o blog e lendo umas 20 postagens (agora são 2h da manhã na minha cidade rs)
    A versão dos Los Hermanos é muito boa e a interpretação do Belchior no programa Altas Horas deixa explícito que essa música tem algo a mais e bem profundo :)
    Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Yan!
      É verdade! Eu adoro a interpretação do Belchior com o Los Hermanos no Altas Horas. Depois da original (claro hahaha), é a minha preferida.
      Enfim... Muito obrigada pelo comentário e pelos elogios!

      Excluir
  8. Thamirys,

    Refleti muito sobre sua interpretação e que por uma coincidência ou lógica, não sei, as minhas opiniões assemelha-se bastante com as suas ideias.
    Mas existe um ponto nessa música que eu gostaria de saber sua opinião.
    Quando Belchior fala "eu quero que esse canto torto feito faca corte a carne de vocês". Esse "canto" não seria sinônimo de "lugar", que por sua vez seria a América Latina? América Latina não seria esse "canto torto feito faca"?
    Essa interpretação aprofundaria ainda mais a força da poesia dessa música artisticamente e historicamente. Eu digo que foi de um brilhantismo único.
    Enfim, queria saber sua opinião.
    Parabéns pelo blog. Excelente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É clara sua interpretação; eu não havia percebido tamanha sutileza. Belchior... Parabéns.

      Excluir
  9. Que bela interpretação do momento da música. Ela me parece uma música atemporal, já que a luta parece nunca ter fim. A indignação, o desencantamento, mas a necessidade de seguir adiante, apesar disso.

    ResponderExcluir
  10. Ola

    Primeiro quero te dizer que vc acaba de ganhar mais um fã, não acredito que demorei tanto para te encontrar, até agora li poucas interpretacoes suas mas irei me atualizar de tudo.

    Sobre essa cançao sepre quis entender ela e vc me ajudou bastante obrigado.

    Por favor nao pare de postar se precisar de ajuda estamos ai...

    LecoAllan

    ResponderExcluir
  11. olá, Thamirys, obrigada por ter respondido ao meu comentário. Sou a Mariana, aquela ali que te pediu a interpretação para "frevo mulher"... bem, recentemente ouvi uma música que não sei se você já escutou, mas vale a pena dar uma analisada. Achei-a bem sensorial, estranha, algo que só a trupe liderada por Rita Lee poderia criar. Trata-se da "Ave, Lúcifer" d'Os Mutantes. louco esse título, não? Envie por aqui sua opinião. Não precisa ser uma interpretação, só o que você acha mesmo, pois já te considero bastante no quesito "análises musicais". Andei vendo as outras análises e sei o que digo. Até breve.
    - Mariana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mariana!
      Então, eu não conheço a música. Pra falar bem a verdade, eu não conheço muito nem mesmo da banda. Aqui em casa nunca tivemos costume de ouvir Os Mutantes e eu também não adquiri o gosto. Então, fico devendo essa. Desculpe, viu? Mas é que não acho que possa formular opinião sem conhecer assim, nadinha.
      Mas obrigada pelo comentário! E volte sempre!

      Excluir
    2. Não precisa se desculpar, Thamirys. Eu também nunca tinha entrado em contato com as músicas d'Os Mutantes, nem aqui em casa se teve o hábito de ouvi-las, mas pensei: "por que não?". Resolvi, então, baixar o álbum "A Divina Comédia ou Ando Meio Desligado" e gostei. Mas essa "Ave, Lúcifer" eu estranhei, pois não costumo sair por aí glorificando tal ser, mas ao mesmo tempo achei coerente com o tema do álbum: algo relacionado à obra "A Divina Comédia" de Dante Alighieri. Então, depois de ouvir a canção, pensei: "Poxa, o blog. Será que ela já ouviu? O que ela acha? Será que ela se impactou assim como eu? Vou perguntar!". E assim foi. Mas obrigada por responder. Voltarei assim que possível, para ver as novidades que, aliás, pelo que vi, já começam a aparecer.
      - Mariana

      Excluir
  12. Olá Thamirys, descobri hoje o seu blog e passei a manhã lendo as suas postagens. Estou impressionada com as suas interpretações, principalmente com as de alguns anos atrás quando você era bem nova. Acredito que temos a mesma idade, pois também estou estudando para o vestibular e entendo a sua situação, mas sempre que puder tente atualizar o blog. Estarei acompanhando as suas interpretações! Parabéns pelo talento e iniciativa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Anônima!
      Ótimo que alguém ainda lê minhas coisas! Fico feliz de verdade com isso. Sai do anônimo, moça! Vamos interagir...
      E, ah, eu tô com dezesseis agora.
      Beijos! Obrigada pelo comentário.

      Excluir
  13. Oi, Thamirys, como vai? Gostei muito de ler tua análise pessoal. Achei bastante interessante e fico sempre feliz quando vejo pessoas pesquisarem, buscarem respostas para suas reflexões, mesmo que não pense como elas.
    Achei bem coerentes tuas colocações. E tu sabes? tem uma grande discussão sobre a frase "esse desespero é moda em 73", pois muita gente - incluindo o próprio Belchior - gravou cantando "moda em 76" hehe. Mas na gravação original é 73 (e o Ednardo, que é amigo dele e também gravou, cantou 76).
    Um abraço!

    Kelva.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kelva!

      Obrigada pelos elogios!
      Então, 11 de setembro de 73 tem o golpe no Chile, contra Allende, mas em março de 76 também tem golpe na Argentina, contra Isabel Perón, além de, nesse mesmo ano, ter ocorrido o golpe do Equador. Desse modo, mesmo já tendo conhecimento das duas versões da letra, eu optei por tratar da versão original mesmo, já que isso não altera muito o sentido da canção.
      Fato é que se remontam os golpes que a América Latina vinha sofrendo e enaltece-se o caráter revolucionário da luta de esquerda da época.

      Beijos!

      Excluir
  14. Parabéns, bem legal, gostaria, se possível, de debater com você sobre a obra de Belchior. Abraços. Pippo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Filipe!

      Então, eu não conheço toda a obra de Belchior, mas eu sei de uma parte. Sobre o que gostaria de debater?

      Abraços!

      Excluir
  15. Bom dia Thamirys.

    Sem querer, ontem me deparei com sua análise sobre a composição À Palo Seco. Sinceramente, foi um privilégio lê-la por dois motivos, o primeiro por tratar-se de uma obra do polêmico e excepcional Belchior - esta música em especial, carecia de tradução - e o segundo motivo, pela sua magnífica análise, a qual não seria possível não fosse a sua cultura primorosa e a sua sabedoria.

    Em tempos de anticultura expelida de forma massiva pela mídia, fico feliz em conhecer, quando possível é claro, pessoas raras como você, o que sinceramente renova minha inspiração por saber que nem tudo está perdido.

    Um forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com vc qdo diz que vivemos em um tempo de anticultura. Belchior na minha opinião é um gênio esquecido, não por nós, e nem por pessoas que tem sensibilidade. Mas a mídia deveria explorar mais, não só o Belchior, mas tantos outros que com suas letras e Canções tocam não só nossos ouvidos, mas nossos Corações.

      Excluir
  16. Excelente trabalho, adorei, voltarei mais vezes. Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  17. Analisar letra de música é sempre arriscado,pois sabemos,que todo texto literário é uma obra aberta.Mas a sua análise saiu redondinha,creio que nem o próprio autor faria com tanta perfeição.

    ResponderExcluir
  18. Parabéns! Nunca vi tanta lucidez em alguém com tão pouca idade.

    ResponderExcluir
  19. Muito legal a análise. Só uma coisa não entendo: em 73 Belchior deveria ter 27 anos (conforme biografiia na wiki). Por que a letra fala em "25 anos"? Arredondamento poético? Sérgio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sérgio!
      Bem, obrigada pelo comentário. Pode ser que sim, pode ser que não. Não sei. Mas também não creio que mude muito as coisas. Porém o meu chute é de que Bel utilizou "25 anos" por ser uma idade marcada pela coexistência de um espírito adulto, mas ainda consideravelmente jovem. É um período onde, frequentemente, o indivíduo ainda tem consigo o fervor e a paixão adolescente, mas começa também a ter um olhar mais maduro sobre as coisas.
      Apenas uma ideia que me passou pela cabeça agora.
      Grande abraço,
      Thamirys.

      Excluir
  20. olá, não li todos os comentários, mas li toda sua intepretação, amei!
    gostaria de ter toda essa sabedoria sobre tudo!
    Já que me parece fã de Belchior, gostaria de saber se já fez alguma interpretação da musica coração selvagem.. Estou com alguma duvidas sobre meus entendimentos..
    Desde ja grata.. grata por ter lido sua interpretação sobre à palo seco.. Aguardo respostas!
    Atenciosamente Thalita

    ResponderExcluir
  21. Faço vídeos (por diversão) sobre MPB no youtube, mas procuro sempre tentar entender o autor, antes de ilustrar um vídeo, pra não fazer besteira.
    Sempre vejo análises de pessoas querendo mostrar tanta intelectualidade que parece outra música outro autor. Fiquei super feliz em encontrar seu blog, que interpreta sem querer ser "a sabichona" e
    esclarece (com base) as intenções do poeta Belchior. Parabéns!!
    Amei sua interpretação sobre "À palo seco". Abraços!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Anônimo!

      Querido, obrigada pelos elogios. Aprendi a não querer ser "a sabichona", ainda bem! Deixa o link do teu canal, pra gente poder dar uma olhadinha.

      Um beijão!

      Excluir
  22. Oi, Thamirys! Tenho 17 anos e sou grande admiradora do Belchior. Hoje mesmo assisti uma homenagem antiga a ele: "Homenagem ao compositor" no "Programa Raul Gil". Gosto muito dessa música, assim como "Tudo outra vez", "Paralelas", "Galos, noites e quintais", "Hora do almoço" e "Fotografia 3 x 4". Li que, provavelmente, a canção "Tudo outra vez" fala da época em que Belchior esteve exilado na França, durante o regime militar. E faz todo o sentido, não é mesmo? "Minha fala nordestina, quero esquecer o francês". Sugiro que você faça uma interpretação dessa música. Abraço! Parabéns pelas interpretações!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, querida!

      Obrigada pelo comentário. Sobre "Tudo outra vez", já a interpretei. Você encontra aqui, ó: http://interpretacaopessoal.blogspot.com.br/2011/10/tudo-outra-vez.html

      Um abraço!

      Excluir
  23. Essa música como muitas outras do Belchior são críticas a invasão de moda,músicas e comportamento Norte Americano na America latina.Blues Música Norte americana onde que canta se entorta para cantar,tango música argentina pouco valorizada pelo Brasil na época. Canto a seco sem acompanhamento,pola acompanhamento de violão.

    ResponderExcluir
  24. Maravilhosamente lúcida tua explicacao, parabéns pelo trabalho benéfico e produtivo Thamirys, és de uma sensibilidade notável.
    Continue assim. Sucesso pra ti.

    ResponderExcluir
  25. Só uma correção, A Palo Seco é do album Alucinação, não? Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bernardo!
      Acho que é do Mote e Glosa mesmo. É que tem nos dois álbuns, mas Mote e Glosa é de 74, enquanto Alucinação é de 76. Além de ele retratar dois eventos distintos, isso até explica bem o fato de ele trocar a data nas diferentes versões (ora 73, ora 76).
      Beijos e abraços!

      Excluir
    2. Sim a música é de Mote e Glosa. E sobre as suposições da treta com o Raul, bem, o Raul criticou meio mundo de gente na música, Hermes, Ednardo, Sílvio, e claro o Belquior, mas até onde eu sei o Belquior nunca se exasperou com isso tanto que gravou ouro de tolo, mas enfim parabéns pela análise!

      Excluir
  26. Parabéns Thamirys pela sua interpretação. Contextualizada, pontual, digna de quem conhece bem tanto de literatura quanto de música brasileira. Tenho algumas interpretações de outras músicas de Belchior também. Como podemos trocar um papo sobre elas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Tiago!
      Perdão não ter respondido logo. Tudo bem? Então, não sei se você vai ler, mas você pode entrar em contato pelo meu e-mail: thamirys100@hotmail.com
      Aguardo seu contato!

      Excluir
  27. Oi Thamirys, vc tem alguma interpretação da música coração selvagem? Gostaria muito de saber sua opinião. Parabéns pelo seu trabalho.

    Marina

    ResponderExcluir
  28. Você matou 'a palo seco' minhas (e as de muitos outros) curiosidades sobre esta letra da canção de Belchior. Parabéns pelos fundamentos e argumentos convincentes. Saúde e sucesso, sempre! Abs

    ResponderExcluir
  29. Parabéns. Expliquei o sentido da letra a palo seco para minha filha e ....surpresa, encontro seu blog com a mesma interpretação. Valeu, lemos juntos sua matéria e foi ótimo.

    ResponderExcluir
  30. Parabens, Foi uma Otima análise, sou um grande fã do Belchior e pensava algo totalmente diferente sobre essa musica. Gosto muito do blog

    ResponderExcluir
  31. Sem muita frescura, muitos teoremas, você é dez! Como eu queria te dar um abraço. Do poeta Elias Borges.

    ResponderExcluir
  32. Sempre tive muita curiosidade sobre o título desta linda música. Muitíssimo obrigada pelo esclarecimento maravilhoso, beijos.

    ResponderExcluir
  33. Parabéns pelo post. Super lúcida! ❤️

    ResponderExcluir
  34. Fico msm admirado com seu trabalho e talento... mais admirado com sua idade.. n que pessoas novas possam ser inteligente.. n é nada disso! Fico admirado pq existe poucos assim como vc na sua idade... parabéns msm... sucesso em sua vida e em seus trabalhos... fiquei muito curioso pra saber mais de vc... como foi criada? De onde surgiu a vontade de interpretar músicas? De onde vem seu gosto por músicas antigas(músicas que tenha poesia)? Enfim queria saber mais ao seu respeito... rsrs só curiosidade msm.. abraços... Manoel carlos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Manoel Carlos!

      Então, eu já nem sou mais tão novinha assim (já estou com 19, na verdade), mas é fato também que esse blog começou quando eu tinha 12-13 anos. Acho que, pode-se dizer assim, sofri uma influência muito grande do gosto musical do meu pai e da minha mãe. Do meu pai, principalmente.

      Quando eu lembro da minha infância, eu lembro de painho tocando violão e cantando Djavan, Jorge Vercillo, Tim Maia e coisas assim. Descobri, mais ou menos na mesma idade em que comecei o blog, a Legião Urbana, Cazuza e outros nomes do pop rock brasileiro dos anos 80 e me apaixonei.

      Aliado a isso creio que contribuiu também o fato de eu sempre ter amado ler e escrever. Aprendi a ler sozinha (true story!), passava o recreio na biblioteca da escolinha e sempre troquei qualquer coisa por livros.

      Juntando tudo ao fato de que eu sou uma pessoa sentimental, que sempre viu muita beleza em tudo, absolutamente tudo (inclusive, gosto não apenas de MPB, mas também de sertanejo, funk, forró, etc.), escrever algo como esse blog foi quase uma necessidade.

      Acho que interpretar letras de músicas, poesias, tem mais a ver com uma forma de enxergar o mundo. Não se trata de descobrir a verdade de algo. É sobre um ponto de vista. É sobre o sentimento que a música te traz e que é só seu. E escrever sobre isso é uma forma de se expressar, de se mostrar pro mundo de uma maneira não tão explícita. Tem muito de mim em tudo que eu escrevi aqui...

      Enfim, eu não sei se respondi às dúvidas. Mas amei o seu comentário, me fez colocar tudo em perspectiva. Muitíssimo obrigada por isso. Sinta-se a vontade pra comentar novamente e entrar em contato, se desejar.

      Um abraço,
      Thamirys
      (thamirys100@hotmail.com)

      Excluir
  35. Prezada Thamirys !! Excelente análise. Essa bela canção do Belchior significa exatamente tudo isso que vc colocou no post. O ano de 1973 foi praticamente o derradeiro para a esquerda armada no Brasil e o fim do sonho Socialista no Chile. Os "Yankees" não queriam nenhum governo de esquerda no Continente e apoiaram praticamente todos os golpes de direita, incluindo o caso Brasileiro. Não sou esquerdista ou simpatizante de esquerda, mas não sou tolo.
    Sobre o seu texto eu só vi uma interpretação assim tão bem elaborada na Faculdade. Parabéns e obrigado pelo post e por ter tido o cuidado e a sensibilidade de colocar os versos de J.C. de Melo Neto no contexto para facilitar a compreensão.

    Um Abraço.

    Carlos
    (jcdet77@hotmail.com)

    ResponderExcluir
  36. Menina, demais. Parabens.!
    To "descobrindo" só agora, mais a fundo, o trabalho do Belchior. Por incrível que pareça!
    Tenho 25 anos e ouvi essa musica pela primeira vez há apenas algumas semanas. To viajando (...)

    ResponderExcluir
  37. parabéns pelo texto.mas só uma observação: "Alucinação" é o segundo álbum do Belchior, lançado em 1976 pela Polygram (atual Universal Music).

    ResponderExcluir
  38. Estou perplexa tenho 65 anos sou fã do Belchior,e so agora consegui entender essa música,e olha que fui casada com um chileno que veio em 77 para o Brasil.Acho que nem ele sabe,apesar de ser muito politizado.Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  39. Iae, consegui algo com o Enem, fiquei curioso...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mateus!
      Consegui, sim, tô no terceiro período do curso de direito.
      Um abraço!

      Excluir
  40. Marco Aurélio - Muriaé-MG29 de setembro de 2016 00:05

    Olá, sem ser pretencioso, eu gostaria de fazer um adendo à sua análise. "A palo seco" é uma expressão idiomática que entre outras coisas significa: usar de franqueza sem rodeios, ser direto, ou seja, ser curto e grosso. Tal qual a musica o é, e Belchior conhecedor da obra de joão Cabral, foi feliz na escolha do título dada a intencional ambiguidade.
    Quanto à tal treta com o Raul Seixas, não passou de lenda. Belchior é muito inteligente e soube ler nas entrelinhas para saber que o Raul não quis criticar A ou B e sim fez uma crítica irreverente ao momento pelo qual passava a música brasileira em que alguns figurões da MPB estava usando a ditadura como mote para fazer "música de protesto" e ganhando dinheiro com isso e outros fazendo músicas totalmente alienantes.

    ResponderExcluir
  41. O que sinto ao ler tal interpretação, é ESPERANÇA. Esperança em pessoas mais sensíveis, mais preocupadas com os outros e neste sentido mais humanas. Meus parabéns pela interpretação e também pelo bom gosto, Belchior há tempos me cativa com suas canções "navalhadas", cortantes, espero que suas ideias reverberem por entre os ecos desse momento-histórico-social triste (no país), mas que ao mesmo tempo pode proporcionar efetivamente possibilidades de enfreamento.

    ResponderExcluir
  42. Bonito e belo o seu trabalho. Você me economizou muito tempo para me tirar as dúvidas(?), do sentido direto das palavras desse poema, que em canção, me deleito a cada vez que a escuto. Obrigado!

    ResponderExcluir
  43. Fantástica sua explicação. Parabéns pela pesquisa. Gosto agora ainda mais de Belchior. E que saudade, já. Vá com Deus, Belchior.

    ResponderExcluir
  44. Acredito que esse vivemos esse desespero hoje também, quando uma história de conquistas de direitos trabalhistas e não de trabalhadores, como às vezes querem fazer crer (diga-se "tango argentino") está sendo trocada (comercializada) por um novo modelo (diga-se "blues").

    ResponderExcluir
  45. Thamyris,
    Hoje um dia depois da passagem do inspirador Belchior encontro tua interpretação também inspiradora, ele tina 25 e eu 24, éramos contemporâneos no desespero, mas lúcidos no que tinhamos o que fazer, lutar, rotineiramente sem devaneios. Lutar pra sermos latino-americanos. Hoje com 68 vejo o país destroçado por um golpe do retrocesso. Mas o espírito de Belchior estará sempre ao nosso lado. Continuamos na luta por um Brasil melhor, para todos. Obrigado pela sua magnifica interpretação. Abraço fraterno.
    Laércio Leonardo de Araújo

    ResponderExcluir
  46. Mulher! Que show de texto!

    Perfeito pra que desejar alcançar a grandeza do Rapaz Latino Americano, agora que ele parte de vez pra outras dimensões.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  47. ONTEM PERDEMOS BELCHIOR, ESSE POETA-FILOSOFO E MESTRE DA MUSICA BRASILEIRA,,, FUI NO DR. GOOGLE PROCURAR O SIGNIFICADO DA LETRA DA MUSICA ´´A PALO SECO´´ E CAÍ AQUI NO SEU BLOG,,, FIQUEI IMPRESSIONADO COM SUA INTERPRETAÇÃO DO TEXTO DA MUSICA COM A IDADE QUE VOCÊ TINHA NA ÉPOCA,,, VOCÊ DEVE TER UNS VINTE ANOS AGORA PELO QUE LI NOS COMENTÁRIOS,,, VAI SER UMA ÓTIMA ADVOGADA, PROMOTORA OU JUÍZA COM ESSE TALENTO DE INTERPRETAÇÃO,,, PARABÉNS PELA INTELIGENCIA...

    ResponderExcluir
  48. Essa música foi lançada em 1976, e não em 1973 como falaste

    ResponderExcluir
  49. me abraçando com a tua interpretação ,sublime !!

    ResponderExcluir
  50. Parabéns, você é super inteligente!
    Eu encontrei um blog que eu procurava a muito tempo, eu adoro a nossa MPB e estava precisando de algo assim.
    Você foi sensacional na interpretação da música do saudoso Belchior, eu compartilhei o link do seu blog com meus amigos e grupos do whatsApp e todos que gostam da boa música brasileira ficaram maravilhados com a sua perfeitíssima interpretação!
    Tenho um primo que disse que odeia as músicas do Zeca Baleiro porque disse que ninguém entende as letras dele eu vou falar do seu blog prá ele,
    Será que você poderia fazer uma interpretação da música do grande pieta Cazuza "Balada de um vagabundo"? (Maracujá de gaveta num prédio vazio, num terreno baldio, sepultado e logo após abandonado).

    ResponderExcluir
  51. Recordando as músicas do nosso querido Belchior, deparei com seu estudo sensível e tocante... Muito importante ajudar a divulgar a obra deste artista!!!Saudades desta voz lúcida e contundente!!!

    ResponderExcluir
  52. Na verdade, achei a interpretaçãp errada. " A palo seco" é uma expressãp argentina, maia precisamente do lunfardo, um dialeto de Buenos Aires e significa " ao máximo, até o limite. Ppde ser usado como na frase: "voy a beber a palo seco", para dizer que vou beber no cru, cowboy. Ele utilizou eata expressão porque ficou exilado na Argentina durante um tempo, por isso diz que um tango lhe cai melhor que blues. E os 25 anos de sangue, sonho e América do Sul diz respeito justamente ao seu vagar pelos países latinos na época da ditadura, não diz respeito aos golpea sofridos nestes países.

    ResponderExcluir

-Todos os comentários estão sujeitos à moderação da administração do Blog Interpretação Pessoal;
-Para ter seu comentário publicado sem maiores problemas, recomendamos que leia a Política de Comentários do nosso blog.