Interpretação

Pessoal

Interpretações, Significados e Análises de Letras de Músicas

Engenheiros do Hawaii | Piano Bar

     Músicas de qualidade estão em extinção. E talvez seja esse o motivo de eu falar aqui no Blog, ordinariamente, sobre músicas mais antigas, que têm na certidão de nascimento datas que variam dos anos 1970 aos 1990 e, raramente, vão aos 2000.
     O fato é que as músicas de hoje em dia falam sempre sobre o mesmo tema: falam sempre como o amor é lindo, ou como o amor faz doer. Entretanto não é esse o maior problema, mas sim o modo abordado por essas músicas para falar de amor. Parece não existirem mais modos inéditos para falar sobre qualquer tema e as músicas parecem mais plágios umas das outras.
     Mas não é isso que acontece com a canção Piano Bar, do grande poeta Humberto Gessinger, que, mesmo falando de um relacionamento amoroso e seus desencontros, fez dessa música, entre "gurias", "fogo" e "luzes", uma grande poesia, de impacto extraordinário e conquistadora de muitos fãs.
    Essa música, na minha visão um tanto quanto embaçada, relata o dia-a-dia emocional de um relacionamento precoce, desestruturado e, para ser mais exata, prematuro. Um relacionamento onde as partes, apesar da paixão, não se conhecem bem e, portanto, vão, ao longo do tempo, descobrindo um ao outro e, inevitavelmente, esbarrando com a decepção e o fim da paixão.
     Os desencontros de um relacionamento podem ser muitos. Mas, em especial, quando um não conhece ou não respeita os limites do outro, tudo que se constrói durante um certo período de tempo pode ser perdido em segundos. Por isso, é importante que haja respeito no ato de relacionar-se, em especial quando amorosamente, fazer o que é certo para que tudo dê certo.
     Outro grande agravante num relacionamento seria a monotonia. No entanto, quando se ama, ou ainda se pensa que ama, faz-se de tudo para fazer durar o amor. Ainda que exista a rotina desgastante e que não muda, é relevante. Assim se explicaria a frase "Quando o neon é bom, toda noite é noite de luar". Ou seja, mesmo com a distância que há num relacionamento, tudo ainda pode ser "corrigido" de forma artificial, como o luar é representado por um bom neon.
      E, para comprovar o desgaste do relacionamento relatado, Humberto Gessinger cita frases de fácil entendimento e ainda assim complexas e inteligentes. Ele diz:

      "Toda vez que falta luz, toda vez que algo nos falta,
      O invisível nos salta aos olhos.
      É um salto no escuro da piscina.
      O fogo ilumina muito por muito pouco tempo.
      E em muito pouco tempo, o fogo apaga tudo e tudo um dia vira luz.
      E toda vez que falta luz, o invisível nos salta aos olhos."


      Talvez os versos acima não façam muito sentido quando ouvidos ou lidos pela primeira vez. Entretanto, numa segunda análise, substituindo as palavras luz por amor, e fogo por paixão, tudo se encaixa. Gessinger, na minha opinião, quis dizer que o natural é que, quando a fantasia da paixão passe, o amor ocupe o seu lugar e o relacionamento siga seu curso naturalmente. Mas quando isso não ocorre, as pessoas ficam perdidas, sem saber ao certo o que fazer.
      E, como falei de início, Piano Bar trata de um relacionamento prematuro que vai perdendo o encanto. O eu lírico da canção, provavelmente um homem, vai, com o passar do tempo, descobrindo, conhecendo a pessoa com a qual se relaciona. E percebe que nada é como ele um dia pensou ser e que o relacionamento faz mal tanto a um, quanto a outro.
     Piano Bar, uma música que fala de amor e de como ele nos machuca, mas com uma beleza enorme e, acima de tudo, como ninguém antes falou.

# Compartilhar

    Blogger Comentario
    Facebook Comentario

25 comentários:

  1. Olá!
    Numa das minhas pesquisas no google, encontrei a interpretação por acaso, e devo lhe dizer que se antes eu era apaixonada pela música e achava Humberto um poeta virtuosíssimo, agora, muito mais.
    Parabéns pela interpretação!

    ResponderExcluir
  2. Bruna L. Marques, muito obrigada pelo elogio. Fico muito feliz que tenha gostado. Quanto ao Humberto, é como falei no post, ele fala de um jeito como ninguém jamais falou.

    ResponderExcluir
  3. Concordo demais com sua interpretação. Mandou muito bem. :)

    ResponderExcluir
  4. Tenho uma interpretação diferente mas achei interessante seu ponto de vista. Ótimo blog.

    ResponderExcluir
  5. Geralmente o título diz muito sobre a música, teria uma explicação para o título "Piano Bar"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente não, não tenho. Ainda tentei procurar algo que explicasse quando publiquei sobre a música (em vão). Desculpe não responder sua dúvida. Ainda assim, obrigada pelo comentário!

      Excluir
    2. Tudo bem...
      (esqueci de colocar o nome no anterior)

      Excluir
  6. Gostei muito do post, aliás gosto muito da banda, gostaria que você falasse mais sobre outras músicas dela.

    ResponderExcluir
  7. arthur_magro@hotmail.com19 de maio de 2012 13:50

    cara, pra mim so tem uma interpretaçao possivel, apenas uma onde tudo faz sentido. Assim como a musica Quinta-Feira do
    Charlie Brown Jr., Piano bar tbm foi feita para a COCAINA, tudo parece obvio quando vemos a "guria" como a droga.

    "O que você me pede eu não posso fazer
    Assim você me perde e eu perco você
    Como um barco perde o rumo
    Como uma árvore no outono perde a cor"
    Na primeira estrofe ele faz uma referencia ao vicio, onde ela esta pedindo mto dele que ja esta perdendo o rumo.

    "Todos os dias eu venho ao mesmo lugar
    Às vezes fica longe e impossivel de encontrar
    Mas quando o neon é bom
    Toda noite é noite de luar"
    Neste paragrafo ele conta q vao ao mesmo lugar comprar a droga e quando ela eh boa, fica a noite toda em funçao de seu vicio.

    "Toda vez que falta luz
    Toda vez que algo nos falta
    O invisível nos salta aos olhos
    Um salto no escuro da piscina"
    Aqui ele usa a paravra luz como um estado sobrido e quando faltaa luz o invisivel(alucinaçoes) aparecem.

    "O fogo ilumina muito, por muito pouco tempo
    Por muito pouco tempo, em muito pouco tempo
    O fogo apaga tudo, tudo um dia vira luz
    Toda vez que falta luz, o invisível nos salta aos olhos"
    Essa eh provavelmente a parte onde ele deixa mais claro, a cocaina eh uma droga mto forte so q dura pouco tempo, a "pira" da cocaina seria o fogo, que eh mto forte so q rapido.

    "Ontem à noite, eu conheci uma guria
    Já era tarde, era quase dia
    Era o princípio num precipício
    Era o meu corpo que caía"
    Pensanado na guria como a cocaina fica facil de entender o precipicio onde seu corpo estava caindo, o vicio.

    "Ontem à noite, a noite tava fria
    Tudo queimava, nada aquecia
    Ela apareceu, parecia tão sozinha
    Parecia que era minha aquela solidão"
    "No iníco era um precipício
    Um corpo que caía
    Depois virou um vício, foi tão difícil
    Acordar no outro dia"
    E aqui ele fala sobre como ficou dependente dessa guria em um momento de solidao da sua vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Arthur!
      É um ponto de vista, cara! Aliás, é um bom ponto de vista, embora eu já o tenha visto outras vezes e o ache literal demais pra ser verdade.
      Acho que há um motivo pra o Gessinger ter retirado esses últimos versos que vc citou das gravações que sucederam a inédita: justamente não fazer com que as pessoas criem essa impressão de que a música fala da cocaína.
      As pessoas confundem muito o artista com o eu lírico. A música pode até falar da droga (o que não acredito), mas não pq o Humberto já se drogou.
      Obrigada!

      Excluir
    2. Tem um conhecido meu "ex" usuário de cocaína e fala que guria é sim a droga, sempre que ouvimos piano bar, ele chega arrepiar! Fala que quem conhece sabe que "guria" é a droga....

      Excluir
    3. Acredito que quando ouvimos uma música associamos involuntariamente com uma situação que vivemos, e por isso há interpretações diferentes, nem por isso erradas. Como não uso drogas, para mim esta última não faz nenhum sentido, já a priimeira tem tudo haver. Depende da situação que nos for mais familiar, só isso!

      Excluir
    4. A expressão 'guria', no meu ponto de vista, é uma referência ao sentimento de tristeza e solidão. "eu conheci uma guria que eu já conhecia... de outros carnavais, com outras fantasias..." ou seja, a tristeza, velha conhecida, voltou a 'abraçar' o eu lírico, mas dessa vez com outra faceta.

      Excluir
  8. O post tem mais de um ano mas ainda assim quero deixar meus parabéns pela interpretação! Muito bom o texto. Sempre achei alguns trechos dessa música meio confusos, agora clareou um pouco :D

    ResponderExcluir
  9. Poetas escrevem sob efeito de transe. Li isso num livro do Rubem Alves, e concordo. Não gosto de pensar em poesia estátua. A poesia é viva, galera. O cara que escreve, não tem ideia fixa sobre o que vai compor, é claro que há exceções, mas no geral a criação do artista ganha vida própria.

    ResponderExcluir
  10. É difícil diferenciar paixão e cocaína, isso porque elas são muito parecidas. Os dois soltam dopamina, por isso acho que só quem sabe é o próprio compositor. Mas não importa pra que seja. Os compositores conquistam aqueles que se "caracterizam" com suas letras

    ResponderExcluir
  11. parabéns gostei da interpretação Humberto ele é foda esse cara tem dois celebro

    ResponderExcluir
  12. parece falar é de solidão e rotina, de quando abruptamente a rotina é quebrada e ele é tirado de sua "zona de conforto"("quando acaba a luz, quando algo nos falta") o que lhe é pedido e ele não pode fazer, é perder as folhas na primavera, ou seja, sair fora do padrão natural, ("quando o bourbon é bom..", canta ao vivo em alguns shows), também de bebida que o alivia desta tal rotina, mas dura pouco tempo e acaba se tornando ela mesma a própria rotina! a guria, era minha/aquela nossa solidão diária! solidão + bebida + musica = piano de bar
    bom, eu acho né! parabéns pelo blog

    ResponderExcluir
  13. Só eu que vejo como se ele tivesse feito para uma alma ?

    ResponderExcluir
  14. finalmente nosso futuro chegou esse cara é brasileiro essa é umas das maiores letras da historia da nossa musica é linda é de arrepiar e cabe na alma de cada um e pode defender tempos e historias que convém a quem!

    ResponderExcluir
  15. Muito boa sua interpretacao, concordo com boa parte das coisas, mas sabe-se que o HG escreveu essa musica para sua esposa, e minha opniao é que ele fala da noite em que a "conheceu", ou uma noite de amor em ambos estavam embriagados. O fogo citado creio ser o efeito do alcool. Afinal os musicos que ele cita em todas as versoes sao conhecidos por falar de amor, como Willie Nelson, Bob Marley.

    ResponderExcluir
  16. MASSA DE MAIS VALEU ADORO ESSA MUSICA

    ResponderExcluir
  17. Amo essa música! O texto ficou ótimo, não poderia ser melhor.

    ResponderExcluir
  18. Vejo de forma bem literal, um cara que se reencontra um antigo amor, o relacionamento foi difícil (a luz ilumina e cega) mas ele, apesar de tudo, tenta reconquistar ela(o princípio nun precipício é tentar reatar e o meu corpo que caia diz q ele se joga nesse novo amor antigo)

    ResponderExcluir

-Todos os comentários estão sujeitos à moderação da administração do Blog Interpretação Pessoal;
-Para ter seu comentário publicado sem maiores problemas, recomendamos que leia a Política de Comentários do nosso blog.